19.2.10

Insegura, hoje sinto-me insegura!


Insegura, hoje sinto-me insegura!
Já não sei o que é certo ou errado, se viro à direita ou à esquerda, se faço bem ou faço mal. Dou por mim perdida em pensamentos, a deixar que as duvidas assolem a minha paz de espírito.
Revejo momentos, palavras, silêncios e atitudes e já não sei dizer se foram as mais acertadas, se o fiz por achar que era o melhor para todos, a atitude mais correcta a tomar ou por apenas ser incapaz de cortar definitivamente e partir em direcção completamente oposta.
Duvido dos motivos, duvido das personalidades, duvido da importância, dos sorrisos e das meias verdades…
Insegura, hoje sinto-me insegura….e no meu de tanta insegurança e falta de confiança em mim própria, finalmente percebo que não posso ter a atitude mais ajustada, ficar calada e não espernear, ser a boa menina do costume, fechar os olhos aos pormenores que me magoam e fingir acreditar que existe um valor maior que fará todo o suplício valer a pena!
Finalmente percebo, os revezes de se ser demasiado boazinha para demasiadas pessoas em demasiadas tentativas de agradar, culpa desta mania de ter que ser perfeita sabendo que nunca o serei!
Insegura, hoje sinto-me insegura e como tal mando tudo "à fava", estou farta de manter o sorriso quando ele apenas quer desaparecer, farta de desviar o olhar e fingir não ver, farta de ignorar aquela dorzinha teimosa que persiste dia após dia e comportar-me como se tudo já pertencesse ao passado…
Apetece-me dizer que odeio tudo e todos! Gritar ao vento como a situação é injusta, dar-me palmadinhas nas costas e reconfortar-me por ter como rota o caminho em frente quando a dor é tão intensa, quando fazer o correcto e o que toda a gente espera que eu faça se torna tão torturante.
Insegura, hoje sinto-me insegura quanto ao caminho a seguir, entre escolher assumir o fracasso caminhando para bem longe sem nunca olhar para trás ou escolher continuar de espada em riste e armadura colocada batalhando por uma causa inglória na qual os principais visados nunca me darão o devido crédito se dela, algum dia sair vencedora!
É complicado sentir, é difícil de encontrar, é quase impossível de esquecer mas tão fácil de ignorar quando não somos nós que o enfrentamos!
Insegura, hoje sinto me insegura e por tal quero ter o direito de pensar só e apenas em mim, de ser egoísta e achar que a minha dor é a maior do mundo…nem que seja por um breve momento...
Insegura, hoje sinto-me insegura!

5 comentários:

  1. Oi linda :), tudo bem? Mais um texto teu que eu simplesmente adorei, todos nos nos sentimos inseguros um dia mas o importante é que temos a força de seguir em frente, coragem e insegurança estão aqui lado a lado, e isso só nos torna mais humanos :).
    Beijinho miga :)

    ResponderEliminar
  2. WOW...
    Amei este texto..
    Continua..Realmente tens talento..
    Prabéns!

    ResponderEliminar
  3. Está realmente bom =) Mais sincero e verdadeiro que isto seria impossível... A sua maneira de escrever é mesmo cativante e realista =D É tudo verdade ... continue ;)

    ResponderEliminar
  4. Insegurança está presente em todos nós. Uns mais outros menos.
    No meu caso, é a minha melhor "AMIGA" e por isso sinto instável.
    Caros leitores, podem achar o que vou escrever de seguida pode ser considerado a vós um acto de mimice. Mas é pura verdade:
    Sou adulta mas estou na flor da idade de enfrentar o mundo. Devo dizer que começei na pior maneira no sentido de ter feito alguns actos impróprios que ainda hoje a minha querida memória ajuda relembrar e as quais quero esquecer e seguir em frente. Outras tem a ver com o meu comportamente face aos outros que não aceitam como sou e isso faz com que sinta embaraçada, desajeitada e triste. Também outras situações que "gozam" comigo e só para evitar o pior tento esquecer ou engolir tais actos, mas que a mente ajuda a lembrar. Desejo e quero sair deste estado inseguro. Quero sentir me livre, segura e confiante.
    Caros leitores, sei que muitos de vós devem sentir ou desejar o mesmo. Compreendo a vossa dor daqueles são portadores de uma insegurança exterma. Foi o meu desabafo neste espaço que tal como a autora devem sentir fazer.

    ResponderEliminar