15.12.14

...do que se lê por aí...

"Se pela força da distância, tu te ausentas...

Pela força que há na saudade, tu voltarás sempre..."





(desconheço a autoria, mas subscrevo...

diariamente presente, no meu pensamento..no meu coração) 

20.9.14

Desabafo #6

Há dias em que gostava de não ser "tão eu", em que pura e simplesmente me canso...
Há dias em que o "suposto melhor de mim" ganha proporções tão grandes que me sufoca o peito, me estrangula a respiração e silencia as palavras...
Há dias em que me farto, de amar demasiado, de me preocupar demais, de dar e querer em demasia (sempre em demasia)...
Não sou nem nunca consegui aprender a ser, de meios termos...sou de extremos:quando me entrego (ao que quer que seja) faço-o sempre por completo, quando gosto, gosto com o "coração todo" e por conseguinte quando sofro, sofro por inteiro...
Mas dias há em que me faz (tanta) falta um ponto de equilíbrio entre as minhas emoções demasiado (sempre demasiado) exacerbadas e a indiferença total a tudo o quanto me rodeia...
Há dias em que queria ser capaz de por breves momentos, não ser sempre "tão eu" e apenas e só deixar-me respirar, de o coração por uma vez vez que fosse, ouvisse a razão...
Há dias em que simplesmente nem eu mesma me consigo suportar...

*imagem daqui

2.9.14

Estado de espírito#6


'' - Esse é o problema com as coisas vivas. Não duram muito. Gatinhos num dia, gatos velhos no outro. E depois ficam só as lembranças. E as lembranças desvanecem e se confundem, viram borrões...''

 Neil Gaiman,  in "O oceano no fim do caminho''

18.8.14

(...)






" (...) deviam chover lágrimas, quando o coração nos pesa muito (...)" 
António Lobo Antunes

* Imagem daqui

P.S. O livro continua por ler, mas prometo-te
que do próximo mês não passa!


8.8.14

"How do you measure, measure a year?'



(Seasons of Love - Rent)


...eu queria, eu juro que queria mesmo muito, ser capaz de te conseguir escrever...
Pôr em palavras o vazio que ficou, ser eloquente e dar voz a esta saudade permanente que consome todos, e cada um daqueles cuja a vida tocaste...
Queria ser capaz de conseguir dizer-te, com todas as palavras bonitas e caras que tanto gostavas que usasse, o quão diariamente continuas presente não só em mim, mas em cada um de nós (e talvez assim e apenas assim, esta tua ausência física se torne minimamente suportável).
Ninguém, nunca em momento algum, está preparado para perder alguém que lhe seja importante, muito menos assim de forma tão repentina, tão abrupta...hoje olho para cada uma das "nossas" pessoas e nelas encontro eco de tantos pedacinhos de ti...tal facto não ameniza a saudade, muito menos ajuda a aceitar o que aconteceu...mas determina a certeza que passe o tempo que passar, aconteça o que acontecer...continuarás vivo enquanto cada um destes corações bater...
Hoje eu queria, juro que queria mesmo muito, ser capaz de te conseguir escrever...talvez amanhã tenha mais "inspiração" e consiga verbalizar decentemente tudo o que me sufoca o peito...talvez amanhã consiga ser mais concisa e coerente...
Sinto-te a falta!!
P.S. Ultimamente este trecho, ecoa constantemente no meu inconsciente e para ele só encontro apenas e sempre a mesma resposta: numa saudade imensa e eterna!

3.8.14

Que amor é este?

Que amor é este, que por mais que te tenha, nunca se dá por satisfeito? Que cresce e cresce dia após dia...
Que amor é este, que me faz perder por completo o norte, a cabeça e a noção do tempo ou do espaço? Que me torna tão "lapa" "melosa" e "pirosa"?
Que amor é este, tão exigente de presença, toque, sorrisos e cumplicidades...que me faz sentir-te a falta quando tu nem sequer ainda foste?
Que amor é este, que me faz tão faminta de ti...de nós? Que anula por completo todas as minhas cautelas e me faz sonhar alto?
Que amor é este? Defini-lo não me encontro capaz , e talvez seja melhor assim, não vá a sua essência perder-se entre vãs tentativas de uma definição...


"Amar assim até pode não ser saudável...mas faz-me tão bem!"
in "Prometo Falhar" 
Pedro Chagas Freitas

Ao som de: I Do - Colbie Caillat

Imagem daqui


20.7.14

leituras (3)

(A culpa é das estrelas - John Green)


....e depois há livros que são assim, tão bons e marcantes que é quase impossível explica-los!  

*imagem daqui:

22.6.14

...eu Vs a escrita...

...nesta eterna luta entre a minha necessidade de escrever e a produção de algo que valha efectivamente a pena ser lido...saio sempre a perder!
A minha mente e o meu coração constantemente mostram vontades opostas e o turbilhão em que me deixam só parece tender a acalmar quando escrevo...
Mas escrever nunca foi fácil e ultimamente falta-me o tempo para conseguir domar as palavras à minha vontade, falta-me a dedicação para escrever algo que realmente valha o tempo de quem por aqui vai passando...
Contudo, há dias (como o de hoje) em que a necessidade ganha à importância da qualidade (ou falta dela) do que fica marcado na folha branca...
Porque há dias em que mais nada acalma as emoções que tanto ameaçam engolir-me!
Assim, à laia da necessidade de auto preservação, o meu lado racional deixa que o emocional escreva e partilhe algo tecnicamente tão disperso e confuso e genuinamente tão pobre em conteúdo...

9.6.14

Estado de espírito #5


...entre a correria do meu dia-a-dia, o cansaço
provocado pelo trabalho e os sorrisos que em mim despertam...uma coisa permanece sempre...imutável...esta ausência tão persistentemente presente nas mais simples ninharias de cada dia...
(Faz-me falta!)





31.5.14

...

"Os amigos, como acontece com os amantes, também têm de ser escolhidos. Pode custar-nos não ter tempo nem vida para se ser amigo de alguém de quem se gosta, mas esse é um dos custos da amizade. O que é bom sai caro."

Miguel Esteves Cardoso, in 'Os Meus Problemas'

...e hoje, com muita pena minha (em alguns casos) constato que não poderia ser mais verídico!

30.3.14

Nos teus braços...

Nos teus braços encontro a paz de espírito que há tanto tempo procurava...
Nos teus braços a minha mente é finalmente capaz de desligar e por momentos suprimir a necessidade de analisar todos os ângulos e  todas as perspectivas...
Assim, com os teus braços em meu redor, todas as minhas preocupações e receios se evaporam e toda eu sou sorrisos e gargalhadas...
Se os teus braços me enlaçam não há chuva que me molhe, não há vento que me ralhe...
Nos teus braços encontro mais que um refúgio, encontro uma casa que nem sequer ainda tinha compreendido procurar...
Porque quando me tens entre os teus braços...não há nenhum outro lugar onde eu pudesse ser mais feliz!

"Nos sentimos dentro do coração de alguém ao sermos abraçado por braços que realmente nos querem bem."
(desconheço a autoria)

*imagem daqui

17.3.14

Desabafo#5

(...miss you!!)

"Hoje, adormeço com a lua por companhia.
Uma lua calada mas presente.
Uma luz brilhante, mas amedrontada.
Uma vontade calada, mas existente.
Uma saudade premente. Evidente. Frequente. E encurralada."
Rita Leston

15.3.14

Da minha "mania" de pensar demasiado...

Se há coisa que me irrita na minha maneira de ser é o facto de sentir uma necessidade atroz de não só pensar, repensar e analisar tudo o que faço e digo mas também tudo o que os outros fazem e dizem...
Gostava mesmo de ser capaz de fechar os olhos e simplesmente me deixar levar, desligar o meu lado racional e deixar que por uma vez, o meu lado emocional comandar...
Ainda Não consigo, mas talvez o segredo esteja em praticar até aprender...pelo menos pretendo continuar a tentar!

“I think too much.
 I think ahead. I think behind.
 I think sideways. 
I think it all. If it exists, I’ve f*cking thought of it.”
Wiona Ryder

11.3.14

Leve...

Leve e com o coração "aquecido" é como me sinto quando volto a estar rodeada das "minhas pessoas", principalmente quando tenho sentido tanta necessidade de me isolar em mim...
Amizades verdadeiras são assim, capazes de perceberem o que não dizemos, capazes de nos deixarem ir e nos receber novamente de braços abertos, sem cobranças ou dramas desnecessários...
O tempo passa, a vida exige-nos que haja cada vez menos tempo...mas se o soubermos aproveitar, quando realmente se quer nada muda...
Ter novamente a constatação disso, depois de meses sem trocar notícias ou mais do que algumas conversas de circunstância, deixa-me extremamente satisfeita!
Porque sou construída de pedacinhos de todas as pessoas que cruzam o meu caminho e se diariamente faço por ser a melhor versão de mim mesma, muito se deve ao facto destas mesmas pessoas fazerem parte da minha vida...

"Amizades são feitas de pedacinhos. 
Pedacinhos de tempo que vivemos com cada pessoa.
 Não importa a quantidade de tempo que passamos com cada amigo, 
mas a qualidade do tempo que vivemos com cada pessoa. 
Cinco minutos podem ter uma importância muito maior do que um dia inteiro."
(Desconheço a autoria)                        

9.3.14

Fecha os olhos e dá-me a mão, confia por uma vez em mim e deixa-me guiar-te os passos...deixa-me levar-te a um lugar que tão poucos conhecem...
Não hesites, se o fizeres talvez a coragem me falhe e deixe novamente que a paisagem me engula e que os meus traços se desbotem e se confundam com ela e talvez nunca mais me voltes a encontrar...
Fecha os olhos e dá-me a tua mão, eu prometo não a largar enquanto não chegarmos, muito menos que te deixarei algures no meio do caminho...
Não percebes que se não me seguires nunca vais realmente entender?
Não percebes que existem coisas que tens necessariamente de ver com os teus próprios olhos? Que por muito que te as tente explicar, todas as minhas tentativas serão vãs?
Caminha então ao meu lado se o receio falar mais alto, talvez a minha tagarelice te distraia o suficiente para que aqui não consigas voltar sem mim se o seu real significado não fores capaz de captar...
É que apenas aqui consigo verdadeiramente ser eu, com todas as minhas nuances e tonalidades...repara bem no que nos rodeia e se realmente me quiseres conhecer, não será necessário mais nada para que o consigas fazer...

  
"Suponho que me entender não é uma questão de inteligência e sim de sentir, de entrar em contacto…
Ou toca, ou não toca."
Clarice Lispector 

*Autoria da foto: Murad Osmann 

3.3.14

That´s it! (2)



“Ah, respondendo à tua pergunta, sim, ainda a amo e enquanto o meu coração bater, o dela baterá dentro dele…”
desconheço a autoria, encontrado aqui...

...é, acho que é exactamente assim! Quando realmente gostamos de alguém, o sentimento fica sempre, talvez em menor escala, talvez sofra ligeiras alterações...mas permanece...sempre, para sempre! Hoje, sei-o melhor que nunca...

*imagem daqui

24.2.14

Leituras (2)


(vontade de ler este livro, ou qualquer outro
procura-se!)

*imagem daqui

20.2.14

Se me vires por aí...

Se me vires por aí e o meu silêncio estranhares...não te preocupes e deixa-me estar...
Tal como tu, também ele faz parte de mim e por vezes impõem-se à força de pura teimosia...obriga-me a parar, a resguardar-me em mim e para mim e a calar pensamentos e opiniões.
No tumulto constante em que a minha mente e o meu coração se enrodilham é apenas devido a ele que vou preservando a minha sanidade...
Se me vires por aí, não te apoquentes e segue...daqui a nada já te procuro e volto a ser aquela que sempre conheceste...mas por ora, deixa-me com o meu silêncio e não me faças mais perguntas, pois desconfio que mesmo que as respostas soubesse, não irias ser capaz de as realmente compreender!
Sou feita de sonhos, inseguranças e fantasmas, de objectivos e metas, de sorrisos simples e lágrimas difíceis...sobretudo sou ultimamente constituída de mais lugares sombrios do que luminosos e como tal, preciso que me deixes sozinha para que encontre um equilíbrio (mesmo que fraco) entre todos os meus lados...
É que sabes? Se me "roubas" o silêncio, não conseguirei ouvir o crepitar do fogo que ilumina esse caminho e ficarei perdida na escuridão dos meus sentimentos...
Por isso, se me vires por aí e o meu silêncio estranhares...não te preocupes e deixa-me estar...


(Devaneios de uma mente confusa)


"Se quisermos compreender alguma coisa, precisamos de nos dedicar ao silêncio."
Frederico Fellini 

17.2.14

(...)


Hoje torna-se inevitável que não te escreva....parece-me irreal terem passado seis meses desde daquele dia, fecho os olhos e quase que sou transportada para aquele momento em que me ligaram, sei exactamente o que vestia e o que fazia, sei exactamente que horas eram…o tempo passa mas este vazio não atenua, o sentimento de injustiça aumenta e o “porquê” não me saí da cabeça…
De todos os futuros que dei por mim mil uma vezes a imaginar este definitivamente nunca foi um deles e como tal não sei de todo lidar com ele, não sei o que fazer, não sei o que pensar e sobretudo não sei o que sentir para além desta sensação de vazio e de dor constante…
Eu tento, juro por tudo que diariamente tento encontrar um motivo, uma justificação para teres saído das nossas vidas tão cedo, tão repentinamente, mas diariamente falho…falho e apenas um sentimento enorme de injustiça me preenche!
Dói, dói muito não só ter que aprender a lidar com a tua ausência, com este vazio no peito, na minha vida, nos meus dias...ter que aceitar que nada do que eu faça vai mudar o que aconteceu e que, por muito que eu ainda dê por mim a querer acreditar que não é verdade (que pura e simplesmente não pode ser), não posso negar a realidade!
 És presença constante no meu pensamento, praticamente todos os cantos e recantos desta cidade me lembram de ti e por momentos volto a ver-nos ali a lanchares comigo ou ouço trechos de conversas que tivemos...!  Por vezes ainda te procuro noutros rostos ou em cada carro que seja minimamente parecido ao teu (mesmo que eu o conheça quase tão bem como o meu).
Sinto-me sozinha sabes? Sinto falta dos nossos cafés, sinto falta das nossas conversas, dos nossos despiques, das nossas gargalhadas e até das nossas turras....sinto sobretudo falta de te saber ali, presente mesmo que centenas de quilómetros nos separassem , à simples distância de um telefonema, de uma mensagem ou de um computador ligado à Internet...
Queria poder voltar no tempo e ter mais cinco minutos contigo, poder dizer-te mais uma vez o quanto te adoro e o quão importante me és, dar-te um abraço daqueles mesmo apertados, poder olhar-te uma ultima vez e guardar o teu sorriso comigo!
 Quero, juro que quero fazer tudo o que estiver ao meu alcance para me tornar naquela pessoa da qual tu terias muito orgulho de seres amigo…mas a vontade falha-me e quase tudo o que me rodeia me parece tão insignificante!
Hoje não faço muito sentido eu sei (ainda menos do que o normal quando te costumo escrever), mas é que são tantas as coisas das quais te quero falar, das quais contigo gostava de debater que por vezes estas simplesmente se amontoam no cantinho da minha memória e se enrodilham de tal maneira que quando as quero expressar é bastante complicado fazê-lo e torno-me talvez apenas repetitiva e chata!
Como é suposto eu seguir em frente?
Fazes-me falta!

“Tem dias que só queremos tirar uma folga do mundo, dar uma pausa da vida, 
deixar de pensar, e sentir por alguns segundos, sem pressões, sem cobranças, 
sem lembranças, sem vontades, apenas um lugar que nos acolha,
 nos permita ficar e nos traga um pouco de paz.”
Imelda Sitole

*Imagem daqui

16.2.14

Nos teus olhos

Nos teus olhos:
Quieta silenciosamente no meu canto observo atentamente o teu olhar, conhecer-te torna-se tarefa fácil desde que quem o verdadeiramente tente, seja capaz desse mesmo olhar decifrar.
Nos teus olhos vejo o duelo constante entre a aquela menina sonhadora que um dia conheci e a mulher que passo a passo diariamente ambicionas e lutas por te tornar, adaptando-se o melhor que sabe e pode às responsabilidades, exigências e desafios que constantemente lhe são exigidos.
Nesses olhos vejo aquela princesa das histórias da Disney  que tu tanto gostas e que dia-a-dia procura o seu seu final feliz concretizar, passe ele ou não pela presença  de um príncipe (des)encantado.
Nos teus olhos vejo aquela menina doce e por vezes ingénua que o coração de tantos conquistou, prevejo a mãe fantástica que serás, preocupada e atenta com tudo e com todos.
Nesses olhos vejo o carinho e o amor que transbordas por todos aqueles que constituem o teu mundo.
Nos teus olhos que são sempre os mesmos, vejo todos os dias uma pessoa diferente, semelhante à de ontem e de certeza diferente da de amanhã.
Nesses olhos vejo algum  receio e insegurança (mesmo que muitas vezes muito bem camuflado de brincadeira) de uma vez mais saíres magoada.
Nos teus olhos vejo as marcas que cada batalha por ti travada deixaram,  uma sabedoria e um amadurecimento mas sobretudo um sorriso que tempestade nenhuma parece capaz de aplacar.
Nesses teus olhos vejo a honra que é poder chamar-te de amiga, a sorte que tenho em seres presença constante na minha vida, porque neles, por vezes tanto de mim vejo reflectido.
O teu olhar, é assim palco do mais variado desfile de pedacinhos de ti, que se transformam consoante o público que te rodeia (como se de uma actriz numa peça de teatro se tratasse), sendo todos e cada um deles  a razão pela qual eu de ti tanto gosto!

Parabéns M...

*Imagem daqui

10.2.14

Das músicas que me fala(ra)m directamente ao coração #1




...acho que todos os grandes amores têm direito a uma banda sonora e esta música fez parte do meu...e hoje quando por mero acaso a voltei a ouvir...tenho a certeza que, mais do que como eu era lamechas e do quanto esta me embalou o choro, fica aquele sorriso no rosto ao me recordar do quanto ingenuamente feliz fui, apesar de tudo...


"Se a música é o alimento do amor não parem de tocar. 
Dêem-me música em excesso; tanta que, depois de saciar, mate de náusea o apetite."

William Shakespeare

9.2.14

Obrigado

Na confusão dos meus sentimentos, no rodopio dos meus pensamentos tens sido a minha constante.
Nos dias chuvosos e cinzentos da minha vida, tens sido aquele raio de sol teimoso e persistente que faz cada um desses mesmos dias valer a pena!
Roubas-me sorrisos quando eu quase me esqueci de que ainda os tenho e por momentos fazes-me abstrair de todo o que me rodeia...
Estendeste-me a mão quando eu mais precisava e desconfio seriamente que seja apenas devido a ela que me mantenho em pé na borda do precipício que tanto tem tentado me engolir nos últimos meses...
Ocupas-me a mente e impedes que pense demasiado (ou pelo menos tentas!).
Fazes-me bem como poucas pessoas algum dia já me fizeram e isso pura e simplesmente aterroriza-me!
Tenho medo de me viciar em ti e perder a independência emocional que durante tantos anos lutei para conseguir, sobre quem da minha vida faz parte...
Tenho medo de acabar por te deixar ter um espaço maior na minha vida do que o extremamente necessário...e como tal, tento pela primeira vez conter esta minha sinceridade desbocada que tanto me caracteriza e guardar apenas para mim o quão importante me és!
É por isso que hoje aqui te escrevo, tentando que a escrita consiga uma vez mais, transmitir o que se perde sempre que eu tento balbuciar algo mais de que um obrigado...
Obrigado sobretudo por teres sempre cinco minutos para mim e para as minhas neuras e devaneios, quando todos os outros que prometeram estar lá, se perdem na correria do seu dia-a-dia...

“E amigo é isso: aquele que a presença conforta sem precisar de muito gesto ou dramatização.”
Martha Medeiros.

*imagem daqui

3.2.14

Estado de espírito #4

(...dizer ou/e sobretudo escrever...
hoje, ontem, anteontem...resumindo, ultimamente!)

*imagem encontrada aqui

30.1.14

...e a propósito da celebração do dia da saudade....

"...sinto saudades de tantas coisas. 

E de algumas pessoas.
 Sinto saudades principalmente de quem sei não posso ver mais. 
De quem se ausentou sem pedir permissão. 
De quem foi "ali" e já não volta. 
Saudades de quem a vida trocou os planos.
 Saudades infindas. 
Que o tempo não apagará nunca. "
 - Rita Leston -

*(...sempre, para sempre...)

29.1.14

Pedacinhos de mim: da minha bondade "exacerbada"

Este fim de semana uma amiga disse-me que dou sempre mais de mim aos outros do que aquilo que recebo dos mesmos, há uns anos atrás um amigo disse quase a mesma coisa meio a brincar, meio a sério, que tenho tendência em ajudar os "coitadinhos" ...é verdade, e não sei, nem quero ser de outra forma.
Desde que me conheço que assim sou, "dou" tudo o que tenho e por vezes não tenho por quem gosto, por quem simpatizo, por quem acho que precise, faço tudo o que posso (mesmo quando não dependa apenas e só de mim), mimo, acarinho, digo e mostro que gosto.
Tudo na vida tem o seu lado negativo e este aspecto especifico da minha personalidade não é excepção, pois manter expectativas baixas (ou não as criar de todo) em relação às pessoas, principalmente àquelas que me são mais próximas é extremamente complicado e difícil sobretudo nos dias cinzentos da vida, quando a insegurança e a tristeza reinam livremente a minha mente e o meu coração...
Contudo recuso-me a mudar, por muitos dissabores e desilusões com que seja brindada ao longo da estrada, recuso-me a mudar por um motivo muito simples...quero mudar o mundo, quero mudar a humanidade e não, não sou tão sonhadora ao ponto de acreditar que o conseguirei fazer a uma escala global, mas sou suficientemente sonhadora para acreditar que o posso fazer à medida que for tocando e mudando o que e quem me rodeia, como tal devo ser eu a primeira a dar e a servir de exemplo.
Acho que se não ficarmos atentos, entre a azáfama desta vida moderna cada vez mais atarefada e esgotante acabaremos por perder o que de melhor temos: a capacidade de darmos e recebermos afecto, de nos preocuparmos-nos com o que nos rodeia e sermos altruístas...
A quem me lê, espero que não fique de todo com a ideia errada sobre mim, não me acho melhor nem pior que ninguém...cada um é como é, com as próprias batalhas e demónios...tento apenas diariamente ser diferente, ser a melhor versão que possa ser de mim mesma.
O caminho é difícil e por vezes extremamente penoso, mas aprendi a desvalorizar todos os percalços e a focar-me em vez disso em todas as pequenas vitórias indo buscar força e orientação naquele pequeno grupo de pessoas que ao longo da estrada tive a sorte de me cruzar e que tal como eu, escolheu fazer desta perspectiva um lema de vida!




“Nem todo mundo está na mesma sintonia que você. 
E isso não é errado, é o jeito de cada um. 
Não adianta você querer fazer tudo ou querer que o outro queira o que você quer. 
Ninguém pode ser forçado a nada.
 Seja a ler um livro, concordar com uma ideia ou mudar.
 A gente muda quando (e se) quiser.
 Você não pode querer que as outras pessoas sintam como você, sejam como você, 
que as coisas tenham a mesma importância para os outros que têm para você. 
Esse é o grande desafio da vida. Boa sorte.”
Clarissa Corrêa

*imagem daqui

21.1.14

Disparates do coração IV


...e isso por agora vai chegando!


"O coração da mulher é um labirinto de subtilezas
 que desafia a mente grosseira do homem trapaceiro.
Para realmente possuir uma mulher,
 é preciso pensar como ela,
 e a primeira coisa a fazer é ganhar a sua alma.
O resto, o doce e fofo embrulho
 que nos faz perder os sentidos e a virtude, 
vem por acréscimo."
 Carlos Ruiz Zafón, em A Sombra do Vento

*Imagem daqui
 (completa e irremediavelmente, 
rendida a este página!) 

18.1.14

Porto seguro (2)

Uma vez escrevi-te um texto intitulado "porto seguro"...na  altura, cada um tinha ido para a sua universidade e eu sentia-te cada vez mais distante. Ainda hoje, das dezenas de textos que para ti escrevi esse é o meu preferido, talvez seja pela necessidade urgente que descobri em te dizer o que para mim eras antes que fosse demasiado tarde, não sei..não me recordo bem do que disseste sobre o mesmo, acho que na altura afirmaste ser reciproco e que independentemente do que a vida nos reservasse iria sempre ser verdade...
Não comecei 2014 da melhor maneira, a tua ausência fez-se sentir mais que nunca e como nunca senti a falta do meu porto seguro, dei por mim a concluir que estava tão errada quando acreditava que bastaria fechar os olhos e pensar em ti, lembrar-me de todas as memórias em conjunto, "fugir" novamente para ti e que novamente te poderia ouvir "ralhando-me" ou aconselhando-me consoante fosse o caso, para continuar em frente.
A verdade é que descobri que ao escolher fixar numa pessoa  e no nosso "não sei quê" o meu porto de abrigo me esqueci que este não poderia ser como eu tanto desejava, intemporal e constante...e que as memórias e recordações por muito boas que sejam serão sempre um reflexo muito difuso de ti, de nós...
Então chorei, mais até do que talvez há cinco meses, chorei porque finalmente entendi o significado das palavras "conforme o tempo for passando é que realmente a sua falta será sentida"...
Talvez um dia seja novamente capaz de encontrar um outro porto seguro, contudo duvido que seja capaz de abandonar por completo este que um dia em conjunto construímos por muito vazio e escuro que se encontre, por muito que este hoje apenas seja uma ruína do que um dia foi...
Assim, agora apenas me resta mergulhar nas lembranças e nos livros que a tua teimosia me ensinou a gostar quando a vida me ralhar e eu mais precisar do teu colo...pois quero muito acreditar que apesar de já não estares aqui fisicamente presente, continuas a viver em cada pedacinho que deixaste em todas e cada uma das pessoas com quem te foste cruzando…e como tal, enquanto eu preservar todos esses pedacinhos teus que em mim existem, posso continuar a acreditar que dizias a verdade quando afirmaste que sempre seríamos o porto seguro um do outro...
Fazes tanta falta, hoje e sempre!

"Amigos. Ultimamente eles têm sido meu porto seguro, meu refúgio. 
São eles com que posso confiar e sempre contar...
 e se um dia meu mundo desabar, eles serão as pilastras que manterão tudo de pé."
Marcela Menezes


17.1.14

Leituras (1)



(Irónico acabar por aleatoriamente escolher ler um livro e quase no fim descobrir que
fala exactamente do que mais tenho evitado ler/falar nos últimos meses!)


*foto daqui

14.1.14

Há alturas...

Há alturas que um aperto no peito me domina, o choro sufoca na garganta e nenhum trecho de livro ou algum episódio das dezenas de séries que vejo consegue aplacar ou fazer abstrair-me deste sentimento...
Há dias que o barulho de tantas perguntas, "ses" e incertezas ensurdece a minha mente e nem o silêncio do escuro do meu quarto resolve...
Há momentos em que tamanha tristeza me domina que nenhum dos beijos lambuzados de chocolate ou dos abraços de "urso" do menino dos meus olhos, afasta...
Há alturas em que me sinto só, verdadeira e terrivelmente só...presa ao centro do palco quando todos já abandonam a sala de espectáculos...
Há dias em que sinto por demais a falta do meu porto seguro e das conversas que me faziam abstrair de tudo em meu redor...
Há momentos em que pura e simplesmente já não sei o que sentir, o que pensar ou o que fazer! 


"Quantas vezes tenho vontade de encontrar não sei o que,
não sei aonde, para resgatar alguma coisa que nem sei o que é nem onde perdi!"
Clarice Lispector

*Imagem daqui

8.1.14

"Porque as outras pessoas cometem erros..."



Porque conduzo diariamente e diariamente fico literalmente de boca aberta face à irresponsabilidade de tanta gente que por aí conduz...porque sei o quanto dói perder alguém devido a essa dita irresponsabilidade...não poderia deixar de partilhar esta publicidade simplesmente arrepiante de tão boa!

"... as outras pessoas cometem erros, abrande!"


Mais informações aqui

6.1.14

Desabafo#4


...e de tão habituados a que ela tomasse conta de todos, ninguém percebeu que era ela, que mais necessitava de cuidado...


"Que eu não perca a vontade de ajudar as pessoas,
mesmo sabendo que muitas delas são incapazes de ver,
reconhecer e retribuir esta ajuda."
Chico Xavier.

*imagem daqui.


4.1.14

De 2013 fica...

De 2013 fica sobretudo esta frase ouvida algures e que não poderia ter sido um reflexo melhor daquilo que aprendi neste último ano...

"Os que partem, nunca partem completamente e os que ficam, nunca ficam por inteiro." 
(desconheço a autoria)