13.2.12

Os meus pequenos nadas...as pessoas

Sou só eu ou vocês também têm (ou já tiveram) uma (ou várias pessoas) na vossa vida de quem gosta (ra)m "instantaneamente" que não são/foram e nunca chegarão a ser vossas "amigas", não daquelas próximas ou íntimas....mas que vocês adoram mesmo assim?
Tenho uma capacidade enorme (e sinto dize-lo, na maior parte das vezes muito irritante na falta de melhor termo) de facilmente me identificar com as pessoas que vou conhecendo, seja na forma de pensar, nos gostos idênticos ou  em personalidades semelhantes...revejo-me em tantas pessoas que por vezes acredito ser apenas um conjunto mal organizado de pedacinhos de outros rostos, palavras ou sentimentos.
Tal facto quando juntado a outra das minhas características mais marcantes que é a sinceridade não se torna propriamente fácil de lidar. Confio muito facilmente, deu sempre o melhor de mim e partilho a minha história de vida com uma facilidade que me assusta...principalmente quando a vida me rasteja, me muda a direcção do olhar e me mostra essas mesmas pessoas de outro ângulo que não o cor de rosa que eu gosto tanto de ver...
Mas continuo a fazê-lo, e acho que o farei sempre...exactamente por essas pessoas...que não são minhas amigas...não no verdadeiro sentido da palavra...mas que me conquista(ra)m pela sua simpatia, amabilidade, disponibilidade e preocupação constante, apenas por sim...
Continuarei assim, a bater o pé e teimar em dar a outra face enquanto o facto de saber da existência de pessoas assim, me aconchegar a alma, me fizer dormir melhor à noite, tornar o meu dia mais alegre...



"Nunca perca a fé na humanidade, pois ela é como um oceano. Só porque existem algumas gotas de água suja nele, não quer dizer que ele esteja sujo por completo. "
 Mahatma Gandhi

4 comentários:

  1. Essa ultima frase disse tudo :)
    De facto e mais uma vez identifico-me com o teu texto. Também confio nas pessoas muito facilmente, apesar de algumas más experiências que já tive, recuo sempre inicialmente, mas depois acabo sempre por confiar e às vezes falar de mais sobre mim e a minha vida. Porque e, é como a ultima frase diz, penso sempre que os outros não são iguais a uns tantos que já passaram por mim num passado lá atrás, que me magoaram e abusaram da minha confiança e depois acabo sempre por deixar me ir e confiar de novo e por vezes a cometer os mesmos erros. Acho que ainda me considero meia ingénua e penso sempre que todos são como eu e que agem com a mesma intenção. Mas contudo, ainda existem pessoas muitos boas neste Mundo, nós é que de certo por vezes acabamos por encarar com as erradas.

    ResponderEliminar
  2. Vai chegar o dia em que vais deixar de te preocupar com a questão do - não "ser robôt". Dá o que te apetece, a quem te apetece. Se os outros não o aproveitam, problema deles. Para quê guardar os "trunfos" (sim, o que para uns são fragilidades para outros são formas de vida) para depois de morta? Vive enquanto estás viva.

    ResponderEliminar
  3. A vida, por agora não me deixa ser assim. Ando muito desconfiada e não deixo que ninguém se aproxime de mim, e mesmo aqueles que deixo estar perto, às vezes, tenho receio. Enfim, era uma vez um coração partido ...

    Mas, acho que és uma corajosa por seres assim e não mudes, apenas tem cuidado. Não deixes que os outros pisem em ti nem te roubem esse teu lado cor de rosa.

    Eu queria puder continuar a ser assim agora, do jeitinho que sempre fui mas ...

    Beijito*

    ***

    ResponderEliminar